JUSTIÇA: Fux nega pedido de Bolsonaro e mantém para abril depoimento em ação em que ele é réu.


O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido do deputado e pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL-RJ), para adiar seu interrogatório, marcado para o dia 4 de abril. Bolsonaro é réu na corte acusado de incitação ao estupro.
 
O parlamentar disse que não estupraria a deputada Maria do Rosário (PT-RS) porque ela não merecia, por ser "muito feia" e não fazer o seu tipo. Na época em que o STF o tornou réu, a defesa de Bolsonaro argumentou que suas declarações são protegidas pelo artigo 53 da Constituição, que estabelece a imunidade parlamentar, não podendo ser responsabilizado civil ou penalmente por isso.

Há dois processos semelhantes no STF que tratam do assunto: as ações penais (APs) número 1007 e 1008. O interrogatório foi marcado na 1008. A defesa alegou que a 1007 está em fase menos adiantada. Assim, o melhor seria esperar para que o depoimento fosse marcado ao mesmo tempo nas duas ações. Fux, que é o relator de ambas, discordou.

"Cuidando-se de processos autônomos, com rol de testemunhas independentes, inexiste previsão legal que obrigue o término das oitivas das testemunhas nos autos da AP 1007 para que seja designado o interrogatório na AP 1008. Deveras, não houve qualquer inversão na ordem do processo, tampouco se designou, nos presentes autos, a realização do interrogatório antecipadamente à prova testemunhal", decidiu Fux.

O GLOBO

Nenhum comentário

Siga nossas redes

Tecnologia do Blogger.